Este é o primeiro de uma série de artigos com dicas práticas para quem já trabalha como freelancer, ou para quem quer trabalhar como freela.

Neste primeiro artigo vou falar como consegui meu primeiro trabalho freelance.

A ideia principal aqui, é de falar sobre dicas diretas e práticas, sem enrolação teórica. Sendo assim, este texto introdutório já está bem grandinho para a proposta da série 😉

Como conseguir meu primeiro trabalho freela, se nunca trabalhei?

Para resposponder a esta pergunta, vou lhe falar como eu consegui meu primeiro serviço como freelancer.

Primeiro trabalho freelancer

Dica: faça projetos pessoais e inclua-os no seu portfólio

Em 2001 eu tinha 15 anos e nenhuma experiência no mercado de trabalho. Mas já sabia programar e todos os meus projetos que usei para aprender, eu ia guardando no computador.

Comecei a enviar meu currículo para todas as agências web que encontrava na minha cidade. O problema é que meu currículo não tinha cursos, pois sou autodidata e não tinha experiência de trabalho oficial.

Não é preciso dizer que não consegui nenhum retorno. Além disto, me contratar formalmente seria um problema por conta da pouca idade.

Mas eu estava sentado em cima de uma pilha de projetos pessoais que usei para aprender a programar pra web. Então eu simplismente coloquei estes projetos no ar, com um domínio próprio e listei no meu currículo.



Depois de estudar programação por pouco mais de 10 meses, eu já havia feito:

  • um fórum
  • um chat
  • um guestbook (esse seria o pai dos comentários de blog e era bem popular na Interner daquela época)
  • um site com gestão de posts, como se fosse um blog

Escrevendo o e-mail

Coloquei o link destes projetos no meu currículo, e desta vez tentei uma coisa diferente: ao invés de procurar um trabalho CLT, ofereci meus serviços como freelancer.

Enviei mais de 50 e-mails em um único dia para várias agências e qualquer empresa que eu achava que poderia se interessar por um programador freelancer. O e-mail era muito simples:

  • em um parágrafo eu dizia que possuia experiência em criar sites e sistemas, falava meu nome e perguntava se a empresa tinha interesse em meus serviços como freela
  • depois eu dizia: “Segue meu currículo no corpo do e-mail”
  • acho que este detalhe do currículo no corpo do e-mail foi essencial. A probabilidade da pessoa ler meu CV era muito maior se ela não tivesse que abrir um anexo. Além disto, anexos podem gerar alerta de SPAM.
  •  era um currículo resumido (até porque eu não tinha muito o que mostrar ainda).No final do e-mail eu dizia que se houvesse interesse, eu poderia enviar meu currículo em Word posteriormente (o qual eu não tinha)Mas nunca foi necessário enviar o CV em Word, porque a pessoa que recebia o e-mail já clicava no link dos meus projetos lá mesmo e podia avaliar a qualidade do meu trabalho

O e-mail original era assim:

Olá,

Sou programador web ha 1 ano e gostaria de saber se há interesse em
meus serviços como freelancer. Meu CV segue abaixo:

——————————————————————
Alexandre I. Kopelevitch
Idade: —
Rua, Bairro
CEP Campinas – SP
(0XX)XXXX-XXXX / YYYY-YYYY
email@email.com
——————————————————————

Conhecimentos técnicos e projetos
———-
Programador web de sites dinâmicos há 1 ano. Espesializado em
ASP, ASP.net/VB.net, XML/XSL/DTD/DOM,
JavaScript , CSS e HTML.

Bancos de Dados: Access, MySQL e MS SQLServer.

Ferramentas: Microsoft Visual Interdev 6.0, Microsoft Visual
Studio.NET, Macromedia Dreamweaver MX, Macromedia Fireworks MX e Microsoft FrontPage.Além de todos os softwares que compõem o Microsoft Office 2000.

* Projeto 1 (link)
* Projeto 2 (link)
* Projeto 3 (link)
* Projeto 4 (link)

Formação
————
Cursando ensino médio.

Conhecimenetos de idiomas
———————————–
Inglês, Russo(fluente), Alemão(leitura técnica).

Qual foi o resultado destes 50 e-mails enviados?

Então eu consegui uma enxurrada de propostas para meu primeiro trabalho, certo?

Errado.

Dos 50 e-mail que enviei, acho que uns 4 responderam, perguntando alguns detalhes, mas que no final das contas não deu em nada.

A coisa não era tão fácil quanto eu pensava. Mas eu queria muito ganhar meu próprio dinheiro. Eu simplismente fui garimpando mais e-mails no Cadê e no Google, para montar outra lista bacana na semana seguinte.

Um detalhe importante: este modelo com currículo no corpo do e-mail, possibilitou que eu enviasse esta mensagem direto do formulário de contato de vários sites, sem precisar descobrir o e-mail deles. Fica a dica.

Não lembro para quantas pessoas enviei a segunda leva de e-mails. Mas sei que foram algumas dezenas.

Desta vez, obtive 3 respostas que evoluiram em conversas mais detalhadas. 2 deles fecharam projetos online mesmo e 1 foi através de um encontro presencial em seu escritório.

A partir daí, os próximos projetos foram conquistados da seguinte forma:

  • indicação destes 3 clientes (e as indicações dos clientes subsequentes)
  • pessoas que viram meu portfólio na web
  • repetição da minha técnica de spamar enviar e-mails para pessoas que poderiam precisar dos meus serviços

Acabei evoluindo um pouco esta técnica e comecei a enviar e-mails mais direcionados que converteram muito mais.

Eu comecei a entender como identificar o problema que poderia resolver, ao invés de apenas falar “Sou programador, como posso te ajudar?”. Comecei a falar: “Percebi que você precisa de XYZ. Já fiz vários trabalhos do gênero, e gostaria de pode ajudar.”

É importante estudar o cliente, antes de enviar um e-mail ou fazer uma ligação. Quanto mais souber sobre ele (e demonstrar isso a ele), melhor!

Como conseguir seu primeiro trabalho freelancer?
5 (100%) 4 votos