Hoje a forma mais simples de atrair atenção e criar comunidades personalizadas é criando um site ou um fórum de discussão (que continua sendo um site, com alguns extras)

Atualmente é muito mais fácil criar um site! Existem inúmeras maneiras e ferramentas para tanto, muito mais fáceis do que as que eu tinha disponíveis em meados de 1999 – quando comecei a programar para a Web.

Quero mostrar quais são os métodos mais comuns de criar um site e depois indicar o meu método preferido para um iniciante que deseja saber ao menos o que acontece por trás dos panos e não ser refém de empresas e profissionais mal intencionados.

Você pode criar seu site sem saber nada de programação, o que é ótimo por um lado, mas limitado por outro. Vamos encarar o seguinte cenário: você precisa montar um site e não entende nada sobre domínios, servidores de hospedagem, html, css, etc.

Existem 3 caminhos possíveis a partir daqui:

1. Escolher um serviço que permite criar e personalizar seu site online

Neste caso você estaria escolhendo um serviço como o Wix, por exemplo. É um serviço de boa qualidade, oferece várias opções de personalização, mas ainda assim você irá mover alguns blocos, incluir plug-ins pré-fabricados por outros desenvolvedores (lojas virtuais, sistemas de comentários, etc) e poderá brincar um pouco com o HTML das páginas. Nada muito mais profundo que isso.

Mas se em algum momento você precisar de opções mais avançadas, adotar alguma linguagem de programação como Ruby ou PHP — não poderá fazer muita coisa de forma personalizada.

Resumo: se você precisar de uma página institucional rápidamente e não tem tempo de aprender nada sobre hospedagem de sites e registro de domínios, opte por sistemas como o Wix.

Se você planeja criar um site mais duradouro, profissional, que permita expansão e interatividade completa com seu cliente / visitante, sistemas como o Wix não são a melhor opção.

2. Contratar uma agência ou freelancer

Neste caso, você que não sabe como escrever nada de HTML e muito menos sabe o que é um PHP ou MySQL estará sempre nas mãos do prestador de serviço — o que pode ser uma bênção quando a empresa ou o freelancer são sérios. Mas se você cair na mão de pessoas pouco profissionais, iniciantes ou mal intencionadas, a experiência pode ser ruim e o resultado é dinheiro jogado fora.

Um dos primeiros sinais para ver se o prestador de serviços possui alguma credibilidade é conferir seus trabalhos anteriores e ver se ele irá lhe apresentar uma proposta comercial.

Alguns “profissionais” podem torcer o nariz ao ler isto e argumentar que a proposta comercial não vai mudar a qualidade do serviço, mas acredite, eu já estive nesta fase e eu sei do que estou falando. No início não escrevia propostas e mal sabia pra quê elas serviam e posso muito bem avaliar meu trabalho naquela época: extremamente amador!

O problema não é que a falta de uma proposta comercial causa baixa qualidade do serviço. A questão aqui é que nenhuma das partes (nem você, nem o prestador do serviço) poderá apontar de forma clara o que foi combinado e o que está fora de escopo.

Muitas vezes o cliente presume algo de uma conversa, enquanto o profissional presume outra coisa. Se nenhuma das partes explicitar todo o combinado por escrito, a coisa vai acabar mal.

Então vamos voltar ao caso de você ter escolhido um ótimo prestador de serviços: você deixará tudo no piloto automático, apenas guiando-o para mostrar a direção que seu site deve seguir.

So existem vantagens neste tipo de relação. Mas se você possui pouca verba para investir, dificilmente encontrará a qualidade necessária para ficar totalmente tranquilo.

O trabalho de um designer e programador é caro. Isto porque trata-se de uma profissão altamente especializada, levando anos para se ter um pleno domínio dela.

Resumo: busque empresas e freelancers com portfólio, profissionalismo e desconfie quando o valor cobrado é abaixo do valor de mercado.

3. Escolher um CMS como o WordPress

Existem inúmeros CMSs (Content Management Systems) disponíveis para diversos tipos de público. O CMS que possui melhor relação “Simplicidade x Extensibilidade” é o WordPress.

– Quando você é iniciante e não sabe nem ao menos um comando básico em HTML, o WordPress será ideal para começar seu site.

– Se você já possui alguma familiaridade com HTML e CSS, mas não sabe patavinas de PHP, MySQL, SEO – o WordPress será o ideal para turbinar seu site.

– Se você é fera em front-end, back-end, configura seu próprio servidor na Digital Ocean, mas quer uma mão na roda para publicar seu blog – o WordPress será o ideal para você!

O que quero dizer é que esta é uma ferramenta que descomplica a vida em todas as fases e em todos os níveis de conhecimento. Por isto, o WordPress é o caminho para você começar e desenvolver suas habilidades.

Você não precisa esperar para ser fera em HTML/JavaScript/CSS para começar… você pode começar com o WordPress e aprender em paralelo se quiser 😉

3 opções para criar um site
Avalie este texto